Siqueira Campos Associados
INFORMATIVO BIMESTRAL DA SIQUEIRA CAMPOS ASSOCIADOS
Janeiro de 2008 – Ano II – N.º 02
Conheça os destaques desta edição:
 • Agenda
 Guia de Acesso rápido ao MINITAB™ 15
 • Evolução do Seis Sigma
 Desenvolvimento Sustentável
 Mapeamento de Processos
NOVIDADES!
IGEA - Instituto Gaúcho de Estudos Automotivos
Curso aberto formação
Six Sigma Black Belts
Formação de Black Belts Seis Sigma com turma aberta. O curso será realizado em Porto Alegre nos dias 14 a 18 de abril de 2008.
O programa está alinhado com os contéudos da ASQ. Informações pelo telefone (51) 33478623 ramal 8428, com Vanessa, ou pelo eventos@igea.org.br.

Artigos Sobre Seis Sigma

Potencializando os ganhos com Lean Seis Sigma.
Como falhar com Seis Sigma.
Planilha para cálculo
do nível sigma
Planilha em Excel para cálculo do nível sigma e defeitos por milhão de oportunidades (dpmo), para variáveis contínuas e dados por atributos.
Agenda 2008  
Seis Sigma
54º Seminário Executivo Seis Sigma
08 e 09 de abril - São Paulo, SP
Mais de 500 executivos já participaram das edições anteriores deste seminário. Faça parte deste time que busca a classe mundial, participando do Seminário Executivo Seis Sigma.
As vagas são limitadas, não perca esta oportunidade.
Maiores informações pelo telefone 0800 7030603 ou info@siqueiracampos.com.
Guia de acesso rápido MINITAB 15 
Guia de acesso rápido MINITAB  15
Evolução do Seis Sigma 

   Desde o desenvolvimento do Seis Sigma, pela Motorola em meados dos anos 80, esta estratégia tem passado por fortes mudanças que tornaram o modelo muito mais robusto. Provavelmente, quem fez sua formação neste período, agora precisaria fazer uma forte complementação para tornar-se adequado às práticas atuais.
   O modelo inicial tinha um enfoque técnico, mais restrito às ferramentas estatísticas e de qualidade, sem abranger os aspectos gerenciais e de estratégia de negócios. Com o passar do tempo, este modelo foi sendo aprimorado com o acréscimo de experiências de aplicação de várias organizações.
   Entre as contribuições significantes no aprimoramento deste modelo, podemos citar as seguintes:

  • Implantação da infra-estrutura gerencial com suporte do Champion pela Allied Signal.
  • Adição da fase Definir no modelo MAIC pela GE.
  • Maior focalização na voz do cliente (VOC) e integração com a estratégia de negócio pela GE.
  • Integração com o Lean pela ITT Industries e Caterpillar.

Poderíamos resumir as gerações do programa de Seis Sigma da seguinte forma:

1ª Geração: Foco técnico na manufatura, qualidade e produto (Motorola).
2ª Geração: Ampliação do foco integrando à gestão do negócio, redução de custo e focalização no cliente (GE).
3ª Geração: Integração com Lean (Caterpillar e ITT Industries).

   O Lean é uma universalização do Sistema Toyota de Produção, método desenvolvido pela Toyota entre os anos 50 e 60, que visa à redução dos desperdícios.
   Com a integração do Seis Sigma com o Lean, combina-se as soluções de velocidade do Lean com os aspectos culturais, organizacionais e ferramentas analíticas do Seis Sigma. É importante destacar que neste processo as ferramentas Lean são integradas ao modelo Seis Sigma e não o contrário. Com esta integração houve um aumento no currículo do curso.
   Atualmente, os programas de formação tendem a seguir as tendências de mercado, existindo pelo menos 3 currículos em voga:

SS: Seis Sigma tradicional.
LSS: Lean Seis Sigma.
LSS-: Lean Seis Sigma Light.

SS: O Seis Sigma tradicional possui o currículo normal, sem a adição de Lean.
LSS: O programa mais atual. Integra Lean com Seis Sigma com carga horária maior em virtude do aumento de conteúdo.
LSS-: Este programa tem carga horária reduzida, especialmente em estatística avançada, sendo mais aplicado para organizações de serviço.
   Na evolução destes modelos, nossa organização tem se mantido na liderança técnica, sendo a pioneira em nosso país na aplicação do Seis Sigma com DMAIC e na integração com o Lean.

Causa & Efeito
Parceiro
Minitab
Por onde andamos
Por onde andamos
RS: Souza Cruz - Formação de Green e Black Belts - Lean Seis Sigma

SC: BESC - Mapeamento de processos e software iGrafx

PR: Volvo Caminhões - Suporte aos projetos Seis Sigma

SP: Continental Freios - Curso Lean Seis Sigma - Formação de Green Belts

BA, CE, RJ, SP, MG: Contax - Capacidade Analítica
Voz do cliente

"Exercícios que ajudam a 'quebrar' a parte de teoria e conceitos, e colocam em prática o que foi aprendido."

Manuela Nogueira, Curso de Capacidade Analítica, Contax - Rio de Janeiro.
Desenvolvimento sustentável 
"Trate bem das nascentes da terra: não lhe foi dado por seus pais, foi-lhe emprestado para você por seus filhos. Nós não herdamos a terra dos nossos antepassados, nós a tomamos emprestada das futuras gerações."
Provérbio indígena norte-americano
Durante boa parte do século XIX, os economistas clássicos viam limites no desenvolvimento econômico. Haveria um limite ao crescimento, o chamado estado estacionário. Veio o século XX, que com exceção da década de 1930, foi uma era de crescimento sem precedentes. Aumentos nos níveis de renda, produtividade e qualidade de vida, fizeram com que a escassez e os limites ao crescimento fossem esquecidos.

A partir das crises do petróleo nos anos setenta, a preocupação com esse limite voltou à tona. É nesta época que se inicia a preocupação com a ecologia e começa a ser discutido o desenvolvimento sustentável. Na virada do século XXI, o mundo tomou consciência da dimensão dos impactos causados ao ambiente e as conseqüências danosas disso. O Desenvolvimento Sustentável e a Economia Ambiental tornam-se cada vez mais populares. Os impactos causados ao ambiente, que costumavam ser tratados apenas por alguns pesquisadores passou a ser preocupação de praticamente todas empresas e governos ao redor do mundo.

Essa mudança de contexto, fez com que o conceito de desenvolvimento fosse alterado. Antigamente, crescimento e desenvolvimento significavam a mesma coisa: aumento do nível de renda per capita.
Com a melhora na percepção do que é o desenvolvimento este conceito foi ampliado: além da esfera econômica (aumento da renda), o social (qualidade de vida, saúde, educação, etc.) e ambiental passaram a ser determinantes para o que é considerado desenvolvimento.

O desenvolvimento só será sustentável se não reduzir as possibilidades das gerações futuras. Isso implica na não redução da disponibilidade de capital para as próximas gerações, inclusive o capital natural. É como se a natureza existente fosse uma poupança: a geração atual deve viver apenas retirando os juros, sem reduzir o principal. Os juros nesse caso, são os serviços que os ecossistemas prestam à humanidade. Porém, se as sociedades humanas utilizarem esses serviços além da capacidade dos ecossistemas se manterem, estará reduzindo o estoque de capital natural para as gerações futuras. É como se deixássemos para nossos filhos e netos, menos fábricas, investimentos, escolas, universidades, etc.

Marcelo Siqueira Campos
Mestrando em Economia na UFRGS
Mapeamento de Processos 
Mapeamento de processos é uma descrição gráfica, mostrando a seqüência de atividades desenvolvidas para a realização de um propósito específico de forma lógica e interconectada, identificando os passos do processo.

Através de um mapeamento de processo, podemos:
  • uniformizar os processos,
  • proporcionar segurança para quem realiza o processo,
  • facilitar substituições eventuais de pessoal,
  • facilitar o treinamento de novos funcionários,
  • definir métricas para o processo,
  • encontrar possibilidades de aprimoramento do processo.

Com o mapeamento de processos, temos uma visualização do processo como um todo, mostrando o papel e relacionamentos entre passos e áreas envolvidas, permitindo identificar as áreas com problemas, laços e complexidade desnecessários, onde a simplificação do processo é possível.
Auxilia também a identificar onde coletar os dados ou investigar mais profundamente, para descobrir quais elementos podem causar impacto no desempenho do processo, além de documentar e padronizar o processo.

Cuidados ao mapear processos
:

  • não confundir níveis diferentes de detalhamento em um mesmo mapa,
  • observar atentamente o processo para não perder detalhes importantes,
  • observar o processo real antes de representá-lo graficamente e depois comparar o desenho com a execução do processo,
  • elaborar um mapa que qualquer pessoa consiga entendê-lo.

Não deixe de mapear seus processos, pois grande parte do aprendizado e melhoria nos processos resulta da documentação e análise dos relacionamentos representados em um mapa do processo.

iGrafx
Em busca da excelência de processos!

Software para mapeamento de processos, diagramas de causa e efeito, VSM, simulações de cenários, seis sigma, relatórios e muito mais. Confira!
Clique para ampliar a imagem!
A Siqueira Campos Associados é representante oficial da iGrafx® no Brasil.
 
Siqueira Campos